O alto custo com serviços de arbitragens no futebol amador de São Gonçalo/RN

Imagem ilustrativa: Divulgação
Imagem ilustrativa: Divulgação
Imagem ilustrativa: Divulgação

O esporte amador de São Gonçalo/RN é muito bem assistido pelo poder público municipal. É bom lembrar aos desavisados que não estou a serviço do bem e nem muitos menos do mal, aqui, vale a legitimidade da veracidade dos números.

Se o futebol profissional ficou caro, quase impraticável por alguns clubes de menor expressão do futebol brasileiro – tem que ter gestão profissional administrativa de boa qualidade -, proporcionalmente, o amador também acompanhou a inflação, em menor escala, claro.

No futebol amador de São Gonçalo/RN, além da premiação em dinheiro, 31 mil reais, outro item também engrossa a conta, são os serviços de arbitragens. Agora em 2017, o valor desses serviços se aproxima da premiação e atinge a marca de 24 mil 360 reais, valores desembolsados pela Prefeitura Municipal.

Os clubes também pagam? Sim. Além da cota da prefeitura, os clubes também arcam com valores complementares que somam 9 mil 640 reais. A soma das duas investidas chega a 34 mil reais. São valores empregados apenas nas Série A e B além da categoria Sub-18.

Os clubes complementam o pagamento da taxa de arbitragem apenas na fase classificatória, a sequência é toda custeada pela Prefeitura Municipal. Nas fases finais nas três categorias a prefeitura vai custear 10 mil 660 reais.

Se por um lado, os dirigentes investem pesado, pelo outro vem o incentivo do poder público, que sem ele, tem que ser valente de sangue no olho, para enfrentar as dificuldades de se fazer futebol.

Ao que se sabe, a cidade de São Gonçalo tem a maior taxa de arbitragem do futebol amador do RN, tenha como parâmetro o trio da primeira divisão somente na primeira fase que custa 300 reais incluindo o delegado da partida.

Em relação a qualidade, notadamente como no meio profissional, há críticas e elogios, boas e más arbitragens a deriva do olho clínico do dirigente e do torcedor.

Em suma, estamos na média. Precisa melhorar? Claro. O que está razoável, precisa ficar bom, o que está bom, precisa ficar ótimo. Nunca perfeito.