Árbitros reforçam protocolo do VAR antes da prática em campo

Última turma do 2º Curso de Capacitação para Árbitros Assistentes de Vídeo finalizou a parte teórica nesta segunda-feira (2) em Águas de Lindóia (SP)

Como em toda especialização, é preciso ter uma forte base teórica para poder atuar na área selecionada. Assim ocorre também na capacitação para o uso da ferramenta do VAR (sigla em inglês para árbitro assistente de vídeo). Com foco na evolução e qualificação da arbitragem brasileira, a Comissão de Arbitragem da CBF desenvolveu, em parceria com a Escola Nacional de Arbitragem de Futebol, cursos voltados ao aprofundamento do uso do árbitro de vídeo.

Após realizar o primeiro Curso de Capacitação para Árbitros Assistentes de Vídeo em 2017, a CBF iniciou o segundo ciclo do treinamento no último dia 18 de junho. Aberta no domingo (1),  a última turma do aprofundamento fechou a parte teórica nesta segunda-feira (2). Antes dos testes online e offline com o VAR em partidas amistosas, os 16 participantes da atual etapa reforçaram os protocolos e aproveitaram as aulas do Diretor Técnico da ENAF, Manoel Serapião, para sanar as dúvidas sobre a atuação do árbitro de vídeo.

Responsável por transmitir os conhecimentos técnicos do sistema de comunicação do VAR, Nilson Monção ressaltou a importância do embasamento teórico. Segundo o instrutor da ENAF, os primeiros dias de atividades em sala de aula são fundamentais para a assimilação da filosofia e do protocolo adotado pela IFAB (International Football Association Board).

– A parte teórica é fundamental. É nela que se aprende a manusear os equipamentos, a fazer as checagens nos vídeos, a escolher o melhor ângulo… Ela é fundamental porque não se tem uma boa prática sem ter uma base teórica. Os professores e instrutores passam ao árbitro o conceito do VAR através do protocolo definido. Esse deve ser único e aplicado como estabelecido em todo o mundo. Uma linguagem universal – garantiu Monção.

Integrante da última turma de árbitros deste ciclo, Leandro Vuaden também destacou a necessidade de dominar os processos antes de efetivamente testar a nova ferramenta nos testes práticos em campo e nas cabines de vídeo. Para o experiente árbitro gaúcho, é preciso compreender os pilares fundamentais da teoria para corresponder às expectativas em torno da utilização do VAR.

– Todos estamos na expectativa para a utilização do árbitro de vídeo. Nesse momento, nós estamos no momento mais importante.  Existem muitas partes essenciais em um processo, mas a primeira é saber de que forma você tem que atuar. A base teórica é fundamental e imprescindível. Evidentemente, é preciso cumprir todas as etapas. Fica aí o agradecimento, principalmente por toda essa infraestrutura e por poder ter à disposição toda essa aparelhagem para que a gente realmente possa realizar todos os processos.

Na vanguarda do tema, o Brasil está na reta final da preparação para a utilização do VAR nas Quartas de Final da Copa do Brasil 2018, programadas para começar no dia 1º de agosto. Entusiasmado com a possibilidade de fazer parte desse momento histórico do futebol brasileiro, Leandro Vuaden espera tirar o máximo proveito da semana de treinamentos no Eco Resort Oscar Inn para estar apto a atuar nas próximas fases da competição nacional.

– Tomara que eu tenha a oportunidade de poder atuar em uma dessas partidas. Lógico que isso vai passar pelo desempenho aqui. Evidentemente que a experiência ajuda, mas é o desempenho que vai ditar o ritmo e vai dizer da real participação. Tenho uma expectativa muito grande. Por isso da seriedade toda em relação a esse trabalho que está acontecendo aqui. Para que a gente possa realmente traduzir esse aprendizado nas nossas decisões – projetou Vuaden.

Realizado em Águas de Lindóia, no interior paulista, o 2º Curso de Capacitação para Árbitros Assistentes de Vídeo aborda de forma minuciosa o sistema do VAR. Durante a imersão de oito dias, as turmas deste ciclo contaram, ao todo, com 32 árbitros e proporcionaram uma especialização plena aos alunos participantes.

 Site CBF